COVID-19

Não há caso suspeito e/ou confirmado da doença no sistema prisional.

Como se transmite o novo coronavírus:

  • O contágio pode ocorrer pelo ar ou por contato com a secreção da pessoa contaminada, como gotículas de saliva, espirro, tosse e catarro;

  • No toque ou aperto de mão;

  • No contato com objetos ou superfícies contaminadas.

Quais os principais sintomas:

  • Tosse;
  • Febre;
  • Dificuldade para respirar.

Em casos mais graves, pode levar a pneumonia grave com insuficiência respiratória aguda, falência renal e de outros órgãos, e eventual morte.

O Ministério da Saúde sempre recomenda ações preventivas diárias para ajudar a prevenir a propagação de vírus respiratórios, incluindo:

• Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;

• Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;

• Evitar contato próximo com pessoas doentes;

• Ficar em casa quando estiver doente;

• Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;

• Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência. Esses são hábitos diários que podem ajudar a impedir a propagação de vários vírus, inclusive o novo coronavírus.

Ações no sistema prisional capixaba:

A Secretaria da Justiça elaborou um protocolo contra o coronavírus que é seguido por todas as unidades prisionais do Estado e validado pela Secretaria da Saúde.

O  protocolo estabelece as diretrizes de cuidado com a saúde e higiene dentro das instalações.

Dentre as medidas estão a aplicação de um questionário nas unidades prisionais sobre sintomas respiratórios, febre, contato com casos confirmados ou suspeitos de infecção pelo coronavírus, e prevê o adiamento e reagendamento da visita/atendimento. 

A Secretaria da Justiça (Sejus) buscando evitar a contaminação e disseminação do novo coronavírus no sistema prisional determinou a suspensão das visitas aos detentos e das atividades laborais externas dos custodiados a partir dessa quarta-feira (01). A decisão leva em consideração o aumento dos casos da doença no Espírito Santo, buscando diminuir os riscos de contaminação, assegurando a saúde de todos os envolvidos no sistema prisional. 

Para diminuir o fluxo de pessoas nas unidades prisionais e evitar chances de contágio do novo Coronavírus nos presídios, a Secretaria da Justiça (Sejus) passou a fazer o credenciamento de familiares por meio do aplicativo WhatsApp. A medida vale apenas para novos cadastros de visitantes. Técnicos da área Psicossocial de cada unidade prisional ficarão responsáveis pela conferência dos dados, bem como pelo credenciamento, realizado por meio de formulário. Será necessário o envio de foto e documentos digitalizados. A documentação original requisitada no cadastro deverá ser apresentada à unidade prisional em data pré-agendada para futura marcação da visita. O corpo técnico da unidade prisional terá o prazo de 30 dias para conferência da documentação enviada. Os novos cadastros podem ser realizados por meio do telefone (27) 99257-4718.

Os profissionais da área da saúde que atuam no sistema prisional já receberam as orientações necessárias sobre o vírus por meio de capacitações e atuam como multiplicadores do assunto para os demais servidores que atuam diretamente nos presídios. As medidas seguem as orientações da Secretaria da Saúde, estabelecidas no Plano Estadual de Prevenção e Controle do Covid-19.


O protocolo está disponível no box abaixo.

Orientação para equipe que atua no sistema penitenciário capixaba:

A higiene do ambiente de trabalho, que já é feita de forma constante e regular, deve ser mantida e observada nesse período.

A recomendação é pela limpeza com maior periodicidade de áreas compartilhadas, com a higienização de mesas, mouses e teclados compartilhados. 

É orientado que não sejam compartilhados objetos de uso pessoal, tais como copos, talheres, entre outros.

Os servidores e prestadores de serviços deverão realizar a higiene adequada das mãos, respeitando os cinco momentos de higienização: 

1 – Antes de contato com a pessoa;

2 – Antes da realização de procedimento;

3 – Após risco de exposição a fluidos biológicos (tais como sangue, saliva);

4 – Após contato com a pessoa;

5 – Após contato com áreas próximas à pessoa, mesmo que não tenha tocado a pessoa, cuidando direta ou indiretamente da pessoa.

O (a) preso (a) com suspeita de infecção pelo coronavírus deverá ser encaminhado a local específico para avaliação clínica. Todos os profissionais que estiverem envolvidos na escolta deverão utilizar máscara cirúrgica e luvas durante todo o deslocamento. 

A Sejus orienta que seja feita a limpeza e desinfecção das superfícies internas do veículo após a realização do transporte. A desinfecção pode ser feita com álcool 70% ou hipoclorito de sódio ou outro desinfetante indicado para este fim, seguindo o procedimento operacional padrão definido para a atividade de limpeza e desinfecção do veículo e seus equipamentos.

    2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard